Unravel – Análise A3G

Unravel é um jogo que encanta logo de cara!

O game tem um visual diferente com jogabilidade 2D e gráficos incríveis e muito realistas.

E o que dizer do personagem? Um boneco de lã, algo que parece ter sido bordado por uma vovozinha que já não enxerga muito bem ou está ficando lelé da cuca.

Ao começar o jogo, a gente fica meio perdido, não há uma definição imediata do que está acontecendo e de qual o seu objetivo, mas a medida que o jogo avança, vamos coletando memórias que vão dando sentido aos poucos à coisa toda.

Mas mesmo assim, o jogo dá muita margem à interpretação, a história não é contada em detalhes, você vai montando os fragmentos daquilo que vai vendo e tira suas próprias conclusões.

Voltando a falar do personagem, esse carinha vermelho esquisito aí em baixo, ele é de fato algo peculiar, bem original, apesar de lembrar um pouco os personagens de Little Big Planet, mas nem tanto assim.

Existe um fio de lã solto no carinha, como se ao ser bordado tivesse ficado faltando finalizar o ponto e parece que um fio está se descosturando. Esse fio solto faz parte da jogabilidade, ele é usado de várias formas no game como para se pendurar, interagir com objetos e resolver puzzles.

O jogo depende de que você colete material para aumentar este fio, que em alguns momentos se torna curto e impede o seu personagem de avançar. O fio sempre se estende vindo da parte esquerda da tela, e se ele acabar, seu personagem não consegue prosseguir para a direita.

Os estágios são bem diferentes um do outro, com várias temáticas e objetos interativos. Alguns desses elementos do cenário podem ser usados ao seu favor como plataformas e coisas do tipo, como por exemplo uma bola de neve que você deve criar com seu personagem, algo que tem um efeito muito legal, enquanto outros oferecem perigo, como por exemplo um pássaro que te pega se você der bobeira.

Quanto aos gráficos, eles estão mesmo incríveis, dá mesmo a impressão do personagem ser de fato um boneco de lã devido a qualidade das texturas. Os efeitos de luz, água e partículas são incríveis, especialmente quando essas partículas grudam no personagem, que por ser de lã, acaba ficando sujo facilmente e o resultado visual de como a interação dessas partículas é feita com as texturas do ambiente e do personagem são mesmo muito bem feitas, assim como a luz, água, etc.

Outra coisa muito legal é a animação do personagem, que olha para o ambiente, e dá pra ver que ele também se encanta em alguns momentos com o cenário, olhando fixamente para alguns pontos de destaque, a animação é tão bem feita que dá a impressão de que estamos jogando com um personagem que tem vida própria.

A trilha sonora é riquíssima, com belas músicas que se casam muito bem com o cenário ao redor contribuindo muito na imersão.

A cada fase concluída, você completa uma parte de um caderninho, onde vão aparecendo textos e imagens coladas, como fotos e recortes de jornal de acordo com seu avanço.

Quanto aos puzzles, em geral não oferecem muito desafio aos jogadores mais experientes, mas em alguns casos podem ser frustrantes pela falta de informação fornecida na tela, sendo o único jeito de descobrir o que fazer é na tentativa e erro até que uma hora vai.

CONCLUSÂO:

Unravel é um jogo de plataforma muito bonito e que definitivamente vai agradar os fãs do gênero. Ele tem um visual original com cenários muito bem feitos e personagem carismático. Apesar de tudo, ao terminar o game a gente sente que ainda está faltando alguma coisa. Os puzzles nem sempre são legais mas dão pro gasto. Em geral é um bom jogo, mas se suas expectativas estão altas demais, é melhor baixá-las um pouco, pois pode se decepcionar.

Nota final ( 0/100 ):

Nota 75